Notícias

Atendimento a pessoas com suspeita de infecção pelo novo coronavírus (2019-nCoV) na Atenção Primária à Saúde

Executantes: profissionais das equipes que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS) e Vigilância em Saúde.

Resultado esperado: padronizar as ações para a detecção precoce de pessoas caracterizadas como casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (2019-nCoV); realizar manejo inicial; acionar transporte e encaminhar casos suspeitos para o hospital de referência com segurança; registrar informações clínicas, histórico de viagem internacional ou contato com caso suspeito ou confirmado; investigar e registrar dados de contatos próximos; realizar a notificação imediata; adotar medidas
para evitar casos graves e óbitos; e orientar a população sobre medidas de prevenção.

1. Identificação de caso suspeito:

• Acolher e avaliar rapidamente todas as pessoas, independentemente da idade, que apresentem febre ou pelo menos
um sinal ou sintoma respiratório (tosse seca, dor de garganta, mialgia, cefaleia, prostração, dificuldade para respirar e
batimento das asas nasais, entre outros).
Febre: temperatura corporal acima de 37,8ºC, conforme verificação axilar.
• Para as pessoas com os sintomas acima, em casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus, priorizar o atendimento,
ofertar máscara cirúrgica imediatamente e isolar, acomodando-a em local ventilado e sem circulação de pessoas sem
proteção sempre que possível.
• São considerados casos suspeitos de infecção humana pelo novo coronavírus:
Situação 1: febre + pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas
nasais, entre outros) + histórico de viagem para área com transmissão local, de acordo com a Organização Mundial da
Saúde nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas; OU
Situação 2: febre + pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas
nasais, entre outros) + contato próximo* de caso suspeito para o novo coronavírus (2019-nCoV) nos 14 dias anteriores ao
aparecimento dos sinais ou sintomas; OU
Situação 3: febre ou pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas
nasais, entre outros) + contato próximo* de caso confirmado de novo coronavírus (2019-nCoV) em laboratório nos 14 dias
anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.
Até o momento, a única área com transmissão local é a China. As áreas serão atualizadas e disponibilizadas no site
do Ministério da Saúde, no link: saude.gov.br/listacorona
• Considerar os demais diagnósticos diferenciais pertinentes e o adequado manejo clínico. Em caso de suspeita para
influenza, não retardar o início do tratamento com fosfato de oseltamivir, conforme protocolo de tratamento:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_tratamento_influenza_2017.pdf

2. Medidas de isolamento:

• Desde o primeiro atendimento, a pessoa com suspeita de infecção pelo novo coronavírus deve utilizar máscara cirúrgica.
• Realizar o atendimento da pessoa suspeita de infecção em sala privativa ou com menor circulação de pessoas, mantendo
a porta fechada e o ambiente ventilado.
• Realizar higiene adequada das mãos, respeitando os cinco momentos de higienização:
1 – antes de contato com a pessoa;
2 – antes da realização de procedimento;
3 – após risco de exposição a fluidos biológicos;
4 – após contato com a pessoa;
5 – após contato com áreas próximas, mesmo que não a tenha tocado, cuidando direta ou indiretamente da pessoa.
• O profissional deve usar equipamento de proteção individual (EPI): máscara N95/PFF2 (ou outras máscaras com eficácia
mínima na filtração de 95% de partículas de até 0,3μ tipo N99, N100 ou PFF3) nas exposições por um tempo mais
prolongado e procedimentos que gerem aerolização; protetor ocular ou protetor de face; luvas; capote/ avental/ jaleco;
eventualmente máscara cirúrgica, em exposições de baixo risco. Não havendo disponibilidade das máscaras mencionadas
acima, é obrigatório o uso da máscara cirúrgica.

3. Notificação:

• A notificação é imediata (Portaria nº 204/2016) e deve ser realizada pelo meio de comunicação mais rápido disponível, em
até 24 horas a partir do conhecimento de caso que se enquadre na definição de suspeito.
• O profissional da APS deve comunicar imediatamente o caso suspeito à Secretaria Municipal de Saúde/ Vigilância
Epidemiológica para orientações e início das ações de controle e investigação (identificação da área de transmissão, dos
contatos, casos secundários ou possíveis casos relacionados e histórico de viagens do caso suspeito).
• A SMS deve notificar imediatamente todos os casos suspeitos ao CIEVS Nacional, por meio do link http://bit.ly/2019-ncov,
do e-mail notifica@saude.gov.br ou do Disque Notifica: 0800-644-6645.
• Caso a equipe na APS não consiga contato rápido com a vigilância municipal, deverá entrar em contato diretamente com
CIEVS Nacional, notificando a vigilância municipal na primeira oportunidade de contato.

4. Identificação de contactantes*:

• Identificar todas as pessoas que tiveram ou têm contato com caso suspeito ou confirmado e apoiar a equipe da vigilância
na realização de busca ativa;
• Os contatos próximos de uma pessoa com suspeita de infecção pelo novo coronavírus (2019-nCoV) devem
ser acompanhads e monitorados quanto à apresentação de sinais e sintomas; e
• Na presença de sinais e sintomas, orientar que procure o serviço de saúde para avaliação e encaminhamento.
* Contato próximo é definido como: estar a aproximadamente 2 metros ou menos da pessoa com suspeita de infecção pelo
novo coronavírus, dentro da mesma sala ou área de atendimento por um período prolongado, sem uso de equipamento de
proteção individual (EPI). O contato próximo pode incluir: cuidar, morar, visitar ou compartilhar uma área ou sala de espera
de assistência médica ou, ainda, nos casos de contato direto com fluidos corporais, enquanto não estiver usando o EPI
recomendado.

5. Transporte:

• Encaminhar a pessoa com suspeita de infecção pelo novo coronavírus para a unidade de referência (definida em cada
localidade – município ou estado) para monitoramento diagnóstico e confirmação do caso;
• As pessoas com suspeita de infecção pelo novo coronavírus devem utilizar máscara cirúrgica desde o momento em que
forem identificadas na triagem até sua chegada ao local de isolamento na unidade de referência, o que deve ocorrer o
mais rápido possível;
• A equipe deve certificar-se de que as informações do caso foram repassadas oportunamente para a unidade de referência
para a qual a pessoa for encaminhada;
• Qualquer pessoa que entrar em contato com o caso suspeito deve utilizar EPI (preferencial máscara N95/PFF2 nas
exposições por um tempo mais prolongado e procedimentos que gerem aerolização; protetor ocular ou protetor de face;
luvas; capote/ avental/ jaleco; eventualmente máscara cirúrgica em exposições eventuais de baixo risco);
• Realizar higiene de mãos, respeitando os cinco momentos de higienização;
• Orientar possíveis acompanhantes quanto à importância da higienização das mãos;
• A provisão de todos os insumos, como sabão líquido, álcool gel e EPI, deve ser reforçada pela instituição, bem como
higienizantes para o ambiente; e
• No serviço de referência, sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito, será realizada a coleta de duas amostras
de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/ oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior
(escarro ou lavado traqueal ou lavado broncoalveolar). As amostras coletadas serão encaminhadas para o laboratório
conforme fluxo estabelecido.

6. Medidas de controle do ambiente assistencial:

• Equipamentos de uso compartilhado entre as pessoas (por exemplo, estetoscópios, pressão arterial e termômetros)
devem ser limpos e desinfetados com álcool 70% após o uso;
• Higienizar adequadamente as mãos com frequência, respeitando os cinco momentos de higienização;
• Utilizar EPI para evitar o contato direto com fluidos corporais, máscara padrão de segurança N95/PFF2/N99/N100/PFF3 ou,
se indisponível, máscara cirúrgica; protetor ocular ou protetor de face; luvas; capote/ avental/ jaleco;
• Fornecer uma máscara cirúrgica à pessoa com suspeita de infecção pelo novo coronavírus, ou pessoa que têm ou teve
contato com o caso suspeito ou confirmado, e encaminhar para uma área separada ou sala de isolamento;
• Prevenir picadas de agulha ou ferimento por objetos cortantes; gerenciamento seguro de resíduos;
• Limitar procedimentos indutores de aerossóis (intubação, sucção, nebulização);
• Realizar desinfecção de equipamentos e a limpeza do ambiente com solução de hipoclorito de sódio em pisos e
superfícies dos banheiros;
• Descartar adequadamente os resíduos, segundo o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de
saúde da Anvisa; e
• A SMS deve compartilhar com as equipes que atuam na APS dados epidemiológicos sobre a circulação do vírus corona
e outros vírus respiratórios, bem como orientar os profissionais sobre as medidas de controle e a condução dos casos
suspeitos.

7. Medidas de prevenção populacional:

• Instruir todas as pessoas a cobrir o nariz e a boca durante a tosse ou espirrar com tecido ou cotovelo flexionado ou com
um lenço de papel e jogar no lixo;
• Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um
desinfetante para as mãos à base de álcool;
• Evitar tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
• Orientar sobre os sinais e sintomas do novo coronavírus que acionam o fluxo de atendimento para casos suspeitos da
doença;
• Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência; e
• Manter os ambientes bem ventilados.

8. Registro no Sistema de Informação da Atenção Primária (e-SUS AB):

• Registrar o atendimento no sistema de informação (e-SUS AB) CID 10 – Infecção humana pelo novo coronavírus (2019-
nCoV): o código para registro de casos, conforme as definições, será o B34.2 – Infecção pelo novo coronavírus de
localização não especificada.

9. Materiais necessários para medidas de prevenção e controle:

• Máscara padrão de segurança N95/PFF2/N99/N100/ PFF3;
• Máscara cirúrgica;
• Protetor ocular ou protetor de face;
• Luvas;
• Capote/ avental/ jaleco;
• Sabão líquido;
• Álcool em gel;
• Álcool 70%;
• Higienizantes para o ambiente;
• Saco para descarte de resíduo contaminado.
Dúvidas sobre manejo clínico em APS serão esclarecidas por meio do Disque Saúde 136.

VEJA: Fluxo de atendimento na APS para o Coronavírus (2019-NCOV): clique aqui

(Fonte: Ministério da Saúde)

Copyright © 2017 - AMECI